Cadê o Basta? – Professor morre em colégio estadual

Notícias

A Diretoria do Sinpro-Rio se solidariza ao movimento "CADÊ O BASTA" e somará seu empenho ao das entidades da sociedade civil que desejam dar um basta à violência que vem "matando", desprestigiando, desvalorizando o trabalho dos professores submetendo-nos às piores condições de trabalho. Estamos na luta para recuperar nossa dignidade, por melhores condições de trabalho, por uma sociedade sem violência de qualquer natureza.

O professor Marcos Avellar do Nascimento, 35 anos, lecionava Educação Física desde 1992 na Rede Estadual de Educação do Rio de Janeiro. No dia 13 de março, foi encontrado muito machucado no pátio do Colégio Estadual Agripino Grieco,localizado no bairro do Engenho de Dentro, subúrbio da zona norte da cidade do Rio de Janeiro. O professor morreu no dia 21 de março. Suspeita-se do envolvimento de alunos em possível espancamento. A Secretaria Estadual de Educação (SEE-RJ) nega: foi um "empurrão acidental"que ocasionou o traumatismo craniano e os diversos hematomas. O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (SEPE-RJ) quer investigação do Ministério Público.

Notas de solidariedade ao Companheiro MARCOS.

Caro Mauricio e demais amigos,

Felizmente eu trabalhei com o Prof. Marcos durante três anos na Escola Municipal Rio Grande do Sul e me orgulho de ter sido sua amiga e coordenadora. Professor impecável, politizado, exemplar, respeitador e muito compromissado em trabalhar em uma escola de qualidade para os filhos da classe trabalhadora e os excluídos sociais. No dia 28 de fevereiro fez um discurso belíssimo sobre como temos que trabalhar o PAN com nossas crianças , que deveríamos levá-las ao questionamento sobre porque nossas escolas não tem inspetor de alunos , quadras de esportes decentes, enfim condições de trabalho e porque tínhamos o Engenhão. Temos que dar mais atenção ao que aconteceu, um Prof. morreu principalmente por falta de socorro. Ele era adorado pelos alunos de todos os cinco colégios em que trabalhava e cadê o Basta? Paz e luz para Marcos

Profª Regina Karla de Azevedo