Empresários da Educação movimentam 80 bilhões, enquanto professores estão sem reajuste há dois anos

Notícias


Empresários da Educação movimentam 80 bilhões, enquanto professores estão sem reajuste há dois anos

Como se a Educação fosse um enorme shopping, empresários que já movimentam 80 bilhões de reais por ano querem encher mais ainda seus “carrinhos”, comprando mais e mais escolas. Ao cunhar a frase “Educação não é Mercadoria”, trabalhadores do ensino já apontavam a sede do capital. E esta sede é acompanhada da gula de só auferir lucros, em detrimento da qualidade de ensino e da valorização dos verdadeiros responsáveis pela dignificação da Educação - professoras, professores e demais profissionais das escolas.
O Sinpro-Rio está em plena campanha salarial e não se cansa de apontar a ganância dos patrões que enchem os bolsos com o ensino, movimentando mais de 80 bilhões ao ano sem destinar um centavo para o reajuste dos professores em dois anos.
Leiam abaixo matéria da Agência O Globo, replicada pelo site O Sul, e constatem a desfaçatez de quem só fala em cifrões, mas não utiliza em nenhum momento a palavra “professor”.
Falam em “economês” o tempo todo porque, sim, para eles, educação é mercadoria, e tem sido uma mercadoria comprada na bacia das almas, com mão de obra baratíssima e mensalidades escolares elevadas.
Às custas do sangue e suor de professoras, professores e demais trabalhadores da Educação, vendem agora a ideia da adaptação rápida ao ensino remoto na pandemia, sendo que esta agilidade vale pontos na Bolsa de Valores. Mas sobre a “Bolsa da Vida”, pouco ou nada mencionam, pois jogam para os dois lados: escola aberta e aula remota, sem arcarem sequer com computador e custos de Internet e energia elétrica, necessários ao trabalho docente. No teletrabalho, o professor se esforça dentro de um expediente escorchante de 16 horas por dia, inclusive em finais de semana. E na aula presencial, além do trabalho desgastante, professoras e professores podem ter suas vidas sacrificadas pela pandemia.
Mas o que importa é o tilintar da máquina registradora. Aumenta tudo: mensalidades escolares, alimentos, tarifas, combustíveis, mas os empresários dão as costas para o reajuste salarial do professor. E com todo este aumento, adivinhem o que mais aumenta? O lucro dos empresários que não estão satisfeitos com os 80 bilhões que movimentam ao ano. Querem mais, muito mais, mas não querem conversar sobre o reajuste que pode significar a sobrevivência digna dos profissionais da Educação. A Categoria dos Professores e Professoras do setor privado da Educação está há dois (2) anos sem o se reajuste salarial. Conclamamos a todas e todos a se unirem em torno do Sinpro-Rio na defesa da convenção coletiva de trabalho, do reajuste salarial e da vida!
REAJUSTE SALARIAL JÁ!
SINPRO-RIO EM DEFESA DA VIDA!

A Diretoria

》Leia a matéria da Agência Globo/ site O Sul, citada acima, AQUI.

(Notícia originalmente publicada no dia 25/05/2021, mas a data poderá ser alterada para que fique em evidência ou de mais fácil acesso à categoria).