Fama, UniSuam, Gama Filho e UniverCidade: fique por dentro do andamento de processos

Notícias

04/11/2014

Conheça o andamento dos processos dessas Instituições de Ensino Superior:

A FAMA – a Associação Educacional Machado de Assis e Faculdade União Araruama de Ensino foram condenadas a pagar os salários de janeiro a março de 2014, do 13º salário de 2013 e do FGTS vencido dos professores. Os futuros depósitos do fundo, de acordo com a mesma sentença, serão realizados na conta vinculada do professor, conforme prazo previsto na Lei do FGTS. O não cumprimento levará À multa diária de R$30,00, até o limite do valor do FGTS vencido.

Na ação contra a Universidade Gama Filho (Grupo Galileo) para o pagamento do adicional de 25% devido à extensão da hora-aula noturna, o perito fez os cálculos e entregou recentemente à 56ª Vara do Trabalho. Eles serão homologados pelo juiz da Vara e, em seguida, a Instituição receberá a intimação para que fazer o pagamento.

Já no caso do processo contra a Universidade Gama Filho e a UniverCidade solicitando a nulidade da dispensa coletiva ocorrida em dezembro de 2011, uma decisão proferida recentemente confirmou a liminar. Tendo em vista, no entanto, a situação das duas IES, o Sindicato aguarda o término dos prazos judiciais para requerer que a obrigação seja convertida em indenização.

O Sinpro-Rio está iniciando uma ação coletiva contra a Unisuam , pleiteando a execução das diferenças de FGTS e de multa pelo atraso no pagamento dos salários dos professores.

A FAMA – a Associação Educacional Machado de Assis e Faculdade União Araruama de Ensino foram condenadas a pagar os salários de janeiro a março de 2014, do 13º salário de 2013 e do FGTS vencido dos professores. Os futuros depósitos do fundo, de acordo com a mesma sentença, serão realizados na conta vinculada do professor, conforme prazo previsto na Lei do FGTS. O não cumprimento levará À multa diária de R$30,00, até o limite do valor do FGTS vencido.

Na ação contra a Universidade Gama Filho (Grupo Galileo) para o pagamento do adicional de 25% devido à extensão da hora-aula noturna, o perito fez os cálculos e entregou recentemente à 56ª Vara do Trabalho. Eles serão homologados pelo juiz da Vara e, em seguida, a Instituição receberá a intimação para que fazer o pagamento.

Já no caso do processo contra a Universidade Gama Filho e a UniverCidade solicitando a nulidade da dispensa coletiva ocorrida em dezembro de 2011, uma decisão proferida recentemente confirmou a liminar. Tendo em vista, no entanto, a situação das duas IES, o Sindicato aguarda o término dos prazos judiciais para requerer que a obrigação seja convertida em indenização.

O Sinpro-Rio está iniciando uma ação coletiva contra a Unisuam , pleiteando a execução das diferenças de FGTS e de multa pelo atraso no pagamento dos salários dos professores.

Na ação contra a Universidade Gama Filho (Grupo Galileo) para o pagamento do adicional de 25% devido à extensão da hora-aula noturna, o perito fez os cálculos e entregou recentemente à 56ª Vara do Trabalho. Eles serão homologados pelo juiz da Vara e, em seguida, a Instituição receberá a intimação para que fazer o pagamento.

Já no caso do processo contra a Universidade Gama Filho e a UniverCidade solicitando a nulidade da dispensa coletiva ocorrida em dezembro de 2011, uma decisão proferida recentemente confirmou a liminar. Tendo em vista, no entanto, a situação das duas IES, o Sindicato aguarda o término dos prazos judiciais para requerer que a obrigação seja convertida em indenização.

O Sinpro-Rio está iniciando uma ação coletiva contra a Unisuam , pleiteando a execução das diferenças de FGTS e de multa pelo atraso no pagamento dos salários dos professores.

Já no caso do processo contra a Universidade Gama Filho e a UniverCidade solicitando a nulidade da dispensa coletiva ocorrida em dezembro de 2011, uma decisão proferida recentemente confirmou a liminar. Tendo em vista, no entanto, a situação das duas IES, o Sindicato aguarda o término dos prazos judiciais para requerer que a obrigação seja convertida em indenização.

O Sinpro-Rio está iniciando uma ação coletiva contra a Unisuam , pleiteando a execução das diferenças de FGTS e de multa pelo atraso no pagamento dos salários dos professores.

O Sinpro-Rio está iniciando uma ação coletiva contra a Unisuam , pleiteando a execução das diferenças de FGTS e de multa pelo atraso no pagamento dos salários dos professores.