Nota da UFRJ: sem vacina ou medicamento, não haverá retorno de aulas presenciais

Notícias
Nota da UFRJ: sem vacina ou medicamento, não haverá retorno de aulas presenciais

Fonte: site da UFRJ - leia o original AQUI!

Reitoria da UFRJ emite nota sobre atuação da Universidade e atividades presenciais e remotas

No próximo dia 16/6, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) completará 90 dias de atividades presenciais não essenciais suspensas. Ainda resta muita incerteza sobre quando ou como ocorrerá o nosso retorno presencial, mas a Administração Central da Universidade tem agido de maneira responsável, sempre baseada em critérios técnico-científicos, desde o início da pandemia da COVID-19. Permaneceremos firmes na garantia da segurança ao corpo social e à população.

Mais recentemente, o Grupo de Trabalho Pós-Pandemia foi constituído, sob a coordenação da Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças (PR-3), para estudar as fases de um retorno gradual e definir os cuidados adicionais necessários à condução segura de nossas atividades. Esse grupo mantém estreita interlocução com o Grupo de Trabalho Multidisciplinar sobre o Coronavirus Disease-19 (COVID-19), composto por especialistas das diferentes áreas da UFRJ. Em breve, serão propostas as fases para o retorno progressivo na pós-pandemia. Pretendemos ter um plano de retorno que seja referência para o estado do Rio de Janeiro, com base no diálogo permanente dentro e fora da comunidade universitária.

Para os estudantes, nosso elo mais forte com o futuro, precisamos reafirmar que agiremos para que todos possam seguir firmes no propósito de concluir o ensino superior em uma das instituições mais renomadas do Brasil e da América Latina. A UFRJ certamente atenderá aos anseios dos seus estudantes, dos ingressantes aos concluintes, garantindo a qualidade e a excelência acadêmicas. No momento, reafirmamos que a institucionalidade está mantida. Nesse sentido, os colegiados superiores da UFRJ (Conselho Universitário (Consuni), Conselho de Ensino de Graduação (CEG), Conselho de Ensino para Graduados (Cepg) e Conselho de Extensão Universitária (CEU)) – todos com representação de professores, estudantes e técnicos-administrativos – têm realizado reiterados debates sobre a transição de parte das nossas atividades para os ambientes virtuais e apresentado propostas para avançarmos na definição das condições e fases a seguir com segurança, garantindo a inclusão, a qualidade das atividades acadêmicas e o apoio psicológico e de saúde mental ao nosso corpo social neste cenário de exceção. É a partir desses consensos e da institucionalidade dos colegiados que estão sendo apresentadas propostas, prazos e resoluções no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão. Em todas as etapas de enfrentamento desta crise, as decisões colegiadas continuarão a ser respeitadas.

É importante dizer que, se não houver alternativas, como a vacina ou medicamento eficaz contra a COVID-19, o retorno presencial completo não será possível no ano de 2020. Portanto, precisamos discutir com responsabilidade e coerência a possibilidade do retorno progressivo de parte das nossas atividades no formato remoto emergencial, para que o ano acadêmico de 2020 não seja completamente perdido. Para isso, foi constituída a Comissão de Formas Alternativas de Ensino, sob a coordenação da Vice-Reitoria, que se debruça sobre as demandas necessárias para a retomada das atividades acadêmicas de graduação, pós-graduação e extensão. Seguiremos agindo de forma democrática, dialógica, responsável e nos reinventando como instituição. Para que sejamos bem-sucedidos nessa tarefa, precisaremos da união cada vez maior do corpo social, do entendimento sobre nossas limitações, da busca por soluções e a certeza de que precisamos prosseguir e progredir.

Fazemos um agradecimento especial aos nossos servidores técnico-administrativos e professores que têm mantido a UFRJ cada vez mais forte. Mesmo sob constante ataque nos últimos anos, a universidade pública brasileira evidenciou mais uma vez, agora enfrentando a crise sanitária, a sua pujança e o seu papel estruturante em qualquer projeto de desenvolvimento nacional. E seus servidores, atacados em seus direitos mesmo durante a pandemia, respondem com dedicação e brilho a cada novo desafio.

Durante esses meses, a UFRJ tem atuado no protagonismo de ações fundamentais para a população do estado do Rio de Janeiro, da Baixada Fluminense à Litorânea, nas cidades do Rio de Janeiro, Duque de Caxias, Macaé e municípios vizinhos. Somos hoje uma instituição ainda mais reconhecida pela sociedade devido às inúmeras atividades que nos destacam no adequado enfrentamento à pandemia. Nesses três meses, realizamos mais de 12 mil testes diagnósticos para detecção molecular do novo coronavírus; renovamos leitos de CTI e enfermarias e mais de 600 pacientes portadores da COVID-19 foram atendidos nos nossos hospitais; produzimos mais de 60 mil litros de álcool 70 e álcool em gel; ampliamos a assistência aos nossos estudantes e pudemos acolher a nossa comunidade mais vulnerável neste momento de muitas dificuldades.

Em meio a uma série de atitudes questionáveis por parte do poder público, que poderiam levar à desestabilização da Universidade, precisamos nos reinventar como instituição. Tudo isso é fruto de um trabalho diuturno da equipe e de toda a comunidade acadêmica, com a participação dos voluntários que têm muito orgulho de ser UFRJ.

Agradecemos a todos os envolvidos na superação deste grande desafio que estamos enfrentando no primeiro ano de gestão à frente da UFRJ. Neste ano do nosso centenário, seguiremos com altivez e contamos com o apoio da comunidade acadêmica, que deve permanecer unida e confiante no nosso futuro. Estamos trabalhando com muita seriedade para sairmos mais fortes desta crise.

A UFRJ seguirá firme, ciente da sua importância e responsabilidade. Continuará sendo referência para toda a sociedade brasileira e elevará ainda mais seu compromisso com um país mais justo, democrático e zeloso com o seu povo. Vamos seguir em frente, com tranquilidade e determinação, sem perder de vista nossa missão.

15/6/2020

Reitoria da UFRJ