Nota de pesar: educador Rubem Alves

Notícias

21/07/2014

O Sinpro-Rio lamenta a morte do escritor e educador brasileiro Rubem Alves, que faleceu na último sábado, dia 19, aos 80 anos, por falência múltipla dos órgãos.

Rubem Alves, apaixonado pela Educação, escreveu: "Educar não é ensinar matemática, física, química, geografia, português. Essas coisas podem ser aprendidas nos livros e nos computadores. Dispensam a presença do educador. Educar é outra coisa. [...] A primeira tarefa da educação é ensinar a ver. [...] Quem vê bem nunca fica entediado com a vida. O educador aponta e sorri – e contempla os olhos do discípulo. Quando seus olhos sorriem, ele se sente feliz. Estão vendo a mesma coisa. Quando digo que minha paixão é a educação estou dizendo que desejo ter a alegria de ver os olhos dos meus discípulos, especialmente os olhos das crianças" .

Alves, um dos intelectuais mais respeitados do Brasil, publicou diversos textos em jornais e revistas do país e atuou como cronista, pedagogo, poeta, filósofo, contador de histórias, ensaísta, teólogo, acadêmico, autor de livros infantis e até psicanalista.

Em 1974 ingressou no Instituto de Filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde fez a maior parte da sua carreira acadêmica até se aposentar no início da década de 1990.

Entre as obras infantis dele estão "A volta do pássaro encantado" e "A pipa e a flor". Alves escreveu também sobre teologia, filosofia, educação, além de crônicas. É autor de "Tempus fugit", "O quarto do mistério", "A alegria de ensinar", "Por uma educação romântica" e "Filosofia da ciência", e diversos outros. Em 2009 ficou em 2º lugar do Prêmio Jabuti na categoria Contos e Crônicas, com o livro "Ostra Feliz Não Faz Pérola".

Rubem Alves deixa esposa e três filhos. Seu foi velado na noite de sábado na Câmara de Vereadores de Campinas, em São Paulo. O educador deixou carta, escrita há 10 anos, para descrever como gostaria que fosse sua cerimônia de morte, desejo que foi atendido pela família e amigos.