Documentário JANGADEIROS ALAGOANOS, dia 22/10, com desconto para filiados ao Sinpro-Rio

PRÉ ESTRÉIA no Rio de Janeiro

O documentário JANGADEIROS ALAGOANOS, O QUE ORSON WELLES NAO VIU (52 min./2022) com direção de Carlos Pronzato, conta a história dos pescadores Umbelino José dos Santos, Joaquim Faustilino de Sant’Ana, Eugênio Antônio de Oliveira e Pedro Ganhado da Silva, cidadãos originários de diversas cidades do Litoral Alagoano que saíram de Maceió em 27 de agosto de 1922 para o Rio de Janeiro. Eles sofreram os mais diversos revezes na viagem. Só para ilustrar destas dificuldades, na costa da Bahia, enfrentaram um grande temporal, quando foram atirados ao mar e perderam suas provisões, roupas e a vela da jangada Independência. A solidariedade do povo baiano foi decisiva para a continuidade da viagem.

Após noventa e oito dias, mais de mil milhas percorridas e nove tempestades enfrentadas, no dia 2 de dezembro os Jangadeiros Alagoanos chegaram à Cidade Maravilhosa, onde foram recebidos como heróis. A população, o governo e a imprensa queriam estar próximos dos alagoanos, que talvez ainda não tivessem se dado conta da proeza que realizaram. Além da proeza dessa viagem, um fato curioso e que estará presente no documentário é que os pecadores resolveram empreender esta jornada dois dias antes dela ter início. O objetivo foi participar dos festejos pelo centenário das comemorações da Independência do Brasil.

“Conheci este episódio em 2021, através do monumento aos Jangadeiros, próximo à estátua de Graciliano Ramos, em Maceió, inaugurada na gestão anterior e na placa tinha algumas informações sobre essa viagem. A partir disso me interessei pela história e comecei a fazer as pesquisas. Eu sabia da viagem dos jangadeiros cearenses em 1941 ao Rio de Janeiro e isso ficou famoso no mundo por causa do documentário de Orson Welles. Então quis mostrar também a história pouco conhecida dos jangadeiros alagoanos”, conta o diretor.

O documentário já teve duas exibições de pré estréia em Maceió, no Cine Arte Pajuçara, em agosto e setembro deste ano.

O diretor Carlos Pronzato, que também é escritor e diretor teatral, é conhecido por muitos dos seus mais de 85 documentários sobre questões políticas, sociais e culturais.
Catálogo: www.lamestizaaudiovisual.com.br

O Cine Joia fica na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 680, Rio de Janeiro. A sessão única será no sábado 22 de outubro às 19 h (com debate posterior com o diretor) e o ingresso é R$ 20 e pode ser reservado pela chave PIX: carlospronzatodoc@gmail.com (e-mail).

Filiados ao Sinpro-Rio pagam 15 reais.

<- Voltar