Posse da Diretoria quadriênio 2021/2025

Destaque na primeira pagina, Notícias


Posse da Diretoria quadriênio 2021/2025

Num clima de unidade na luta por uma educação de qualidade, pela reconquista de direitos com aguerrimento e resistência, tomou posse em 19 de novembro a nova Diretoria do Sinpro-Rio para o quadriênio 2021/2025.

A solenidade presencial e virtual foi realizada no auditório do Sindicato através de uma mesa presidida pelo professor Afonso Celso Teixeira, pelo futuro presidente, professor Elson Paiva, pelo professor Oswaldo Teles - atual presidente e pelo professor Adeilson Telles, presidente da Comissão Eleitoral.

Na abertura, a mesa lembrou que todos presentes à solenidade no auditório do Sindicato apresentaram comprovantes de vacinação, respeitando todo o protocolo sanitário.

Presidente das duas últimas gestões, o professor Oswaldo Teles fez um breve balanço, lembrando que logo depois da posse da sua primeira diretoria em 2014 foi gestado o golpe de estado de 2016 que nos levou aos ataques à democracia e aos trabalhadores. O professor Oswaldo ressaltou também que a unidade foi fundamental para o processo de reconstrução do Sindicato e para o embate político: “Não temos diferenças e sim possíveis divergências, que é normal e salutar. Que a nossa próxima empreitada se dê numa conjuntura melhor para a nova diretoria, e para o nosso comandante Elson, camarada e irmão”.

Por sua vez, o novo presidente do Sinpro-Rio, professor Elson Paiva, ressaltou que “graças à Ciência estamos aqui neste momento, pois tivemos que nos adaptar. Muita felicidade hoje, apesar de termos perdidos parentes, companheiros/as e amigos/as, trabalhadores/as da Educação nesta pandemia”.

Esta, mais do que uma posse de diretoria, dos nomes dos dirigentes é a política que este sindicato vem se consolidando, através da constituição de uma chapa unitária para a busca de vitórias, para resistir à retirada de direitos, aos desmandos, abusos, assédios que ocorrem nas escolas.

Não fosse a resistência do sindicato, teríamos muito mais mortos, com uma greve que não lutou pela melhoria salarial, mas sim pela vida.

Não é só a posse de uma diretoria, mas sim a celebração à vida, num único pensamento: fora, Bolsonaro; fora negacionista; fora, perseguidor da classe trabalhadora, da sociedade.

Neste momento só temos um lado, o da Ciência, da democracia, do ser humano. Que daqui pra frente possamos ter mais vitórias. Num ano mais difícil, vamos à luta e, se preciso até com uma greve que, além de ser pela vida, seja por melhores condições de trabalho e salários. Parabéns a todas e todos, trabalhadoras e trabalhadores”.

O presidente CUT, Sandro Alex de Oliveira - o Sandrão, enfatizou a composição da nova diretoria do Sinpro-Rio é fruto da unidade das forças políticas, para o enfrentamento ao momento difícil que vivemos e que o ano de 2022 devera ser um ano decisivo para a democracia, numa conjuntura que requererá muita coragem e o Sinpro-Rio será fundamental nesta luta.

Paulo Sérgio Farias, presidente da CTBN, afirmou que o Sinpro-Rio deu o exemplo, mostrando ser possível a unidade sindical e que há necessidade de seguirmos esta linha, construindo-se uma grande frente para o embate ao governo Bolsonaro, que ameaça a democracia.

Heitor César, da Unidade Classista, em sua intervenção declarou a expectativa de que a nova gestão do Sinpro-Rio continuará implementando a agenda combativa, de luta neste momento extremamente complicado.

O professor Gilson Reis, coordenador geral da Contee, ressaltou que o Sinpro-Rio se fortaleceu nas últimas gestões com o professor Oswaldo Teles a frente do Sindicato.

Afirmou que esta posse se dá num momento histórico, no qual tivemos que enfrentar desafios nos seis anos após o golpe contra Dilma Roussef. Se mostrou, no entanto, otimista, em razão de Lula, em sua passagem recente pela Europa, ter se fixado como um líder da unidade global contra o fascismo.

Afirmou também que só chegaremos a construir uma consciência coletiva se a classe trabalhadora entrar no jogo de forma decisiva, sem isso não vê saída para o Brasil em seu processo de reconstrução.

O professor Heleno Araújo, presidente da CNTE, ressaltou a chegada da nova diretoria do Sinpro-Rio como de grande importância no debate permanente para o fortalecimento da democracia, lembrando que vivemos num quadro caótico, agravado pela pandemia desde 2020 e que a nova diretoria do Sinpro-Rio assume um novo mandato já testada e aprovada”.

O coordenador geral do SEPE, professor Gustavo Miranda, afirmou que quando o Sinpro-Rio toma posse o Sepe também se empossa e que juntos vão enfrentar o governo Bolsonaro, que tenta esmagar a classe trabalhadora brasileira.

Presente também à posse, a juíza Adriana Leandro de Souza Freitas – presidente da ANAMATRA, ressaltou a importância da categoria de professoras e professores e lamentou o momento de ataque aos sindicatos e seu papel de resistência e luta . Concluiu com a afirmação: “O sindicato é o ator que tem que ser protagonista”.

A representante da UNE no Rio de Janeiro, Isabelle Bezerra - a Bel, afirmou da necessidade do apoio de professoras e professores na luta do movimento estudantil e que vivemos momentos difíceis e que, só através desta união, haverá vitorias por uma educação emancipadora e libertadora.

Já Nicole Viana, diretora da AERJ, afirmou que o Sinpro-Rio é um parceiro aguerrido na luta por educação de qualidade e no combate ao governo Bolsonaro.

Por fim, o presidente da Comissão Eleitoral, o professor Adeilson Teles, em nome dos demais integrantes, professores Anita de Fátima, Fernando Nogueira e dos suplentes Afonso Maria e Marcelo Rodrigues, deu posse à nova diretoria, agradecendo aos advogados e funcionários do sindicato pelo trabalho realizado.

“A luta agora é pelo embate mais importante de nossas vidas, da civilização contra a barbárie, declaro empossada a nova gestão do Sinpro-Rio comandada pelo professor Elson Paiva”.